Já dançou trance?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

compartilhe

Foto: Murilo Ganesh

Uma matéria escrita pelo DJ e jornalista Camilo Rocha e publicada na revista época em 2006. Vale a pena a leitura para entender um pouco do surgimento das festas no mundo e aqui no Brasil.

A nova onda do psy-trance mistura Woodstock, circo e tecnologia em festas que duram até uma semana.

O estilo nasceu nas praias de Goa, na Índia. Os maiores astros vêm de Israel. As festas em geral acontecem muito longe das grandes metrópoles e duram dias a fio, com a música tocando sem parar. Ainspiração está em Woodstock. O astral mescla o espírito dos hippies à tecnologia digital. O resultado dessa mistura excêntrica atende pelo nome de psy-trance, ou trance psicodélico, ou ainda, na abreviação que está na boca da galera, psy. Opsy é hoje o estilo de música eletrônica mais popular no Brasil.

Há dezenas de festas ao ar livre, festivais e noites em clubes pipocando de Manaus a Porto Alegre. Gigantes do meio, como as raves paulistanas XXXPerience e Tribe, atraem facilmente de 20 mil a 25 mil pessoas em cada edição. Festivais menores em lugares remotos, como o Universo Paralello, realizado em Ituberá, sul da Bahia, ou o Trancedence, em Alto do Paraíso, Goiás, costumam atrair milhares de jovens de 15 a 25 anos — ou até mais velhos -, vindos de todo o país. Nada mal para um estilo que praticamente não toca no rádio, é ignorado pelos meios de comunicação e raramente conta com patrocínio de grandes empresas.

Vários motivos explicam tanto sucesso. Primeiro, o psy quebra a sisudez das festas embaladas nos últimos 20 anos pelos gêneros eletrônicos, como drum’n’bass ou tecno. Segundo, a atmosfera das raves evoca os efeitos de um transe lisérgico: é alegre e lúdica e não esconde o sabor de revival dos anos 60. Terceiro, a música soa mais acessível que a das raves dos anos 90. Serve de porta de entrada tanto para a moçada como para gente mais madura, tornando a diversão mais democrática. Finalmente, o ambiente eufórico e informal faz parte do espetáculo. As festas não acontecem em galpões fechados ou escuros, mas a céu aberto, em lugares paradisíacos, promovendo o encontro dos participantes com a natureza. Os eventos costumam contar com superprodução. Os organizadores investem em decoração e nas fantasias de artistas de circo, como malabaristas ou engolidores de fogo, para animar a imensa pista ao ar livre. No tecno e na house music, o público gosta de se concentrar na música. No psy, predominam o visual espalhafatoso, a exibição dos corpos e a variedade sonora.

O deejay Rica Amaral é o brasileiro mais bem-sucedido na onda psy. ‘O trance pegou por causa das festas ao ar livre. Elas trouxeram muita gente ä para a música eletrônica e acabaram na mão do pessoal do trance’, diz ele. Rica, um ex-dentista, também é um dos pioneiros do psy-trance no país. No fim de 1996, fez uma festa com amigos que reuniu 700 pessoas num sítio. Chamava-se Rave XXXPerience. Atualmente, essa é a maior marca do psy-trance. Já promoveu mais de 80 festas por todo o Brasil e lançou dois DVDs, que, juntos, venderam cerca de 10 mil cópias. Outro nome que tem feito sucesso no psy brasileiro também é sócio da festa: o deejay Feio, que antes desenhava roupas de surfe. ‘As festas ao ar livre fazem as pessoas sair da vida urbana e conectar-se com a natureza’, diz ele. Rica e Feio têm agenda cheia no Brasil e se apresentam no exterior com regularidade.

Na Europa, o trance psicodélico surgiu como uma manifestação de contracultura, uma espécie de vertente neo-hippie dentro da música eletrônica. Até hoje, o caráter lá fora permanece alternativo. As festas são freqüentadas por legiões que vivem em trailers e ganham a vida vendendo roupas e acessórios nos eventos. No Brasil, o sucesso do trance já alcançou outro patamar. Há comerciais de festas na TV e os eventos atraem jovens de classe média que moram com os pais e têm carro importado. O deejay Rica Amaral chegou a aparecer em um episódio do Big Brother Brasil no ano passado. Outro sinal do sucesso será a tenda própria dedicada ao psy-trance no festival Skol Beats em São Paulo, a cargo da equipe da Tribe.

Apesar de tudo, o êxito galopante não agrada a todos. De acordo com o deejay Marcelo VOR, um dos mais conceituados na cena trance, ‘existem duas linhas de artistas: a dos que vão para o lado farofa e a outra, séria’. Entre estes últimos, Marcelo inclui nomes como Audio-X e Wrecked Machines. Na categoria ‘farofa’ estaria, segundo ele, Skazi, deejay e produtor israelense que hoje garante festa cheia em qualquer canto do Brasil. O apelo de Skazi é exibir atitudes de roqueiro e produzir versões psy para faixas do estilo heavy metal. Ele não fala em valores neo-hippies, muito menos em transcendência ou psicodelismo. Prefere se autodenominar o ‘Axl Rose do trance’.

Muitos enfatizam, porém, a opção pelos valores originais da tradição psicodélica, como amor, paz e respeito. É o caso do festival Universo Paralelo, realizado pelos irmãos Dario e Juarez Petrillo (o deejay Swarup), de Brasília. A última edição levou 5 mil pessoas por oito dias para o sul da Bahia, onde foi montada uma minicidade com cibercafé, apresentações de música regional, teatro, cinema e até mesmo uma unidade de reciclagem de lixo. ’Em oito dias, não tivemos nenhuma ocorrência de violência, não aconteceu uma briga,’ afirma Dario.

Mesmo assim, o psy é visto com reservas pelos fãs de outros gêneros de música eletrônica. A história do psy quase sempre esteve descolada do restante. Ao contrário do que acontece com o house ou o tecno, os deejays de psy-trance nunca foram apegados ao disco de vinil. A música deles não tem conexão com um passado de som negro e baseado no ritmo. As referências mais ecléticas talvez levem os praticantes a renunciar à criatividade e à improvisação ao vivo, traços essenciais nas festas eletrônicas do passado.
O formato digital sempre foi o preferido pelos praticantes do psy. No início, os deejays tocavam com DATs (fitas de áudio digital, normalmente usadas por estúdios). Atualmente, quase todos usam o CD. Também há um intenso intercâmbio de músicas entre deejays e produtores de todo o mundo, e uma fome constante por música nova. O deejay Marcelo VOR afirma que hackers já entraram em seu computador e roubaram produções suas exclusivas.

Mas, no meio das massas dançantes, ninguém parece ligar muito para esses problemas. Com a combinação de pistas lotadas, filosofia neo-hippie, violência zero e lugares ecologicamente encantadores, o psy-trance segue animando centenas de milhares de fãs brasileiros. Modismo ou não, tem força e popularidade para durar anos. Afinal, esse gênero emergente inclui qualquer tipo de música e atinge todas as tribos. Melh
or de tudo, a pista de dança é feita de terra e iluminada dia e noite pelas estrelas.

PSY-TRANCE É…
As cinco principais características de um som que não se prende às escolas tradicionais da eletrônica
*Bumbo reto e seco e ritmo galopante, chegando a 150 batidas por segundo
*Trechos de vozes falando sobre assuntos que vão de alienígenas a visões alucinógenas
*Sintetizadores distorcidos, com um som épico e grandioso
*Centenas de versões para hits de outros gêneros, de artistas como Tribalistas, Planet Hemp, Nirvana, Metallica, Iron Maiden, Benny Benassi e Underworld
*Ao contrário dos outros gêneros da música eletrônica, não usa disco de vinil nem tem conexão declarada com a música negra

Os deejays israelenses e europeus viajaram para a Índia. Descobriram a energia das festas de praia em Goa e fez-se o som.

As origens estão em Goa, na Índia. Ex-colônia portuguesa, lugar de tradicional tolerância e hospitalidade, a região se firmou como destino de mochileiros e hippies nos anos 60. As festas nas praias se tornaram um costume local. Na virada dos anos 80, a música passou a ser eletrônica. Aos poucos, deejays e produtores europeus como Goa Gill, Mark Allen e Youth começaram a desenvolver uma vertente influenciada pelo misticismo indiano, por sons étnicos e pelo rock psicodélico progressivo. A ênfase não era mais o ritmo, mas sim a ‘viagem’, proporcionada por uso intenso de efeitos de estúdio e de timbres exóticos. Em meados dos anos 90, depois de um acordo de vistos entre Índia e Israel, legiões de jovens recém-saídos dos rígidos anos de serviço militar israelense passaram a se atirar nas raves de Goa. Graças a essa conexão, Israel se tornou o país onde o psy-trance teve o maior impacto no dia-a-dia. Lá, psy-trance toca no rádio, e um artista como Skazi é reconhecido por crianças na rua. Hoje, nomes como Infected Mushroom, Astrix, Analog Pussy e Astral Projection são conhecidos internacionalmente. O fato de serem alguns dos raros artistas israelenses que conseguiram isso faz deles um orgulho nacional.

Reportagem de Camilo Rocha
Fonte: Revista Época 06/03/2006

Próximos eventos