Entrevista Ital

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

compartilhe

Conheci o chileno Daniel “Ital” na Odissey, uma PVT do interior catarinense. Foi quando percebi que os “full ons” que tocavam em festas consideradas comerciais não tinham a mesma magia e pureza de outros projetos.

É incrível a sensação que se tem ao ouvir o som do Daniel, um som cheio de grooves que penetram em nossa alma e nos faz entrar em transe.

“Nas festas comerciais, algumas não tem conceito de passar algo para as pessoas, mas um propósito de só ganhar dinheiro e etc… “

TIve a oportunidade de acompanhar o som do Ital por mais duas vezes no Universo Paralello e a cada apresentação uma sensação nova, bem diferente de projetos que há anos insistem em manter o mesmo “live” e não conseguem transmitir emoção em suas apresentações.

Há algumas semanas resolvi fazer uma entrevista com o Daniel sobre sua carreria e música eletrônica. O resultado desse batepapo você confere abaixo.

Nos fale um pouco da sua história com a música antes de conhecer o psytrance. Como surgiu o interesse em fazer m·sica eletrônica?
Bom, desde de pequeno estou envolvido com música. Primeiramente tocando como dj em festas, dos 16 anos até agora!!

Em 2000 foi quando me interessei escutando pela primeira vez, música eletrônica experimental, assim como techno e variantes. Foi logo depois de fazer uma viagem para a Europa. Gostei muito do drum and bass, Brain Dance, comecei a tocar esses estilos por um tempo, logo passei para o techno até conhecer o psytrance.

O seu primeiro projeto foi o “Metatron” qual a diferença do som dele para o Ital de hoje?
Metatron foi o começo de minha carreira como produtor e dj de psytrance. Começou com um amigo meu do Chile (Andres) no ano de 2001, depois de nos conhecermos em uma viagem pelo Equador, onde nos conectamos e sincronizamos para começar o projeto depois do verão, em março do mesmo ano. Nesse ano, nossa influência era totalmente do Goatrance, desenrolando e evolucionando o estilo até criar o meu próprio projeto ITAL. Meu projeto no começo foi bem fullon morning, bem psicodélico, até chega hoje em dia ao Fullon Groove.

Quais as influências no começo da carreira?
Os projetos de goatrance como Transwave, Astral Projection, Xerox & Freeman, Haldolium, Ticon entre outros…

E atualmente quais são essas influências?
Atualmente eu gosto dos projetos Dickster, Burn in Noise, Zen Mechanics, Sonic Species, Tristan, Amd, The first Stone, Aphid Moon , entre outros…

Ital significa pureza e é exatamente isso que você passa para as pessoas que ouvem o seu som, de onde vem essa inspiração para produzi-lo?
A inspiração sempre vem do Universo Infinito que nos dá a vida, da natureza, da Floresta, tudo que nos rodeia e faz que tudo seja… acho que como toda arte, nós só somos pessoas que canalizamos a energia divina para ser reenviada ao universo.

Em meu caso a música que se expande como ondas sonoras de luz para este mundo material em que vivemos e espero que vá para muito longe, por todos os cantos do planeta.

Como explicar o seu som para aqueles que não o conhecem?
Musica ital, música pura, música do grande espírito de luz que nos crê e dá a vida.

Como é a cena eletrônica no Chile? Onde são feitas as festas, o tipo de som que toca, como é o público…
Bom, a música no Chile segue crescendo, a cena cada dia maior com as novas gerações de pessoas que gostam do psy. As festas são geralmente nas montanhas, fazendas e em lugares relativamente perto da cidade de Santiago, a galera não gosta de ir muito longe, mas continua sendo uma cena muito nova, ainda tem um caminho longe para percorrer e crescer.

O melhor de tudo, é que quase todos os Lives e djs tocam um estilo de psytrance mais sério e não comercial.

De projetos chilenos além de Ital, conhecemos também Ovnimoon (do Hector) existe algum outro projeto/produtor que destacaria?
Claro, existem 3 projetos que eu gosto muito e que estamos trabalhando juntos também, todos no estilo do fullon groove:
Moai Act: myspace.com/moaiact
Zlott: myspace.com/zlottmusic
Telepatic: myspace.com/telepaticlive

A música eletrônica mudou muito durante os últimos anos, como o surgimento de várias vertentes e também o “boom” das festas comerciais. Como você vê essas mudanças?
De alguma maneira, essa alteração na cena psicodeliga, estragou um pouco. Nas festas comerciais, algumas não tem conceito, de passar algo para as pessoas, mas um propósito de só ganhar dinheiro e etc…  isso que é foda, e é uma pena porque a essência do psytrance nesse aspecto de ter a conexão com a natureza e nossas raízes, se perdeu um pouco.

Daniel tocando prog, minimal ou até mesmo dark é possÌvel vermos isso um dia?
Acho que nao!!!

Hoje as drogas sintéticas estão relacionadas diretamente com a música eletrônica, como você vê essa ligação entre drogas x música?
Eu acho que a droga não tem nada haver com a música… acho que a música leva uma mensagem para ser escutada e interiorizada pelas pessoas, como um conceito de vida. Entregar essa luz do nosso trabalho, qualquer que seja ele, em nosso dia a dia, para que e cada um deles sejamos melhores pessoas.

De alguns anos para cá estamos vendo os MP3 Player conquistarem cada vez o mercado devido a sua capacidade e principalmente o seu preço. E juntamente com isso, o MP3 vem se difundindo ainda mais na internet. Como você encara isso tudo? Isso atrapalha o trabalho do artista?
Claro que atrapalha e muito, porque as pessoas em vez de apoiar o duro trabalho dos artistas e músicos, todo o tempo e dedicação investida, muitas pessoas caem na pirataria, e no final a música chega de qualquer jeito para as pessoas não sendo valorizado de verdade todo o trabalho que ela leva.

Você já· morou no Brasil, como foi sua passada por aqui? Quais os lugares mais incríveis que conheceu aqui e quais os melhores para se tocar?
Brasil é minha segunda terra, eu gosto demais, acho que algo muito especial. Eu já toquei em quase 14 estados, mas cada lugar tem algo especias e energias muito poderosas. Muitas pessoas legais, amigos e pessoas anciosas de entregar o real espírito psy.

Eu gostei muito das ediçõs do Universo Paralello o qual estive 5 vezes, tocando. A Bahia é a Bahia ! Galera da Ecologic em Vitória, além da Amazonia e todo o Nordeste tem algo familiar. São Paulo tem algumas festas muito boas de conceito, como a Respect e a Mystic Tribe, que continuam divulgando o verdadeiro espírito da música psytrance.

Em relação ao cenário eletrônico mundial como está o Brasil? O que temos que melhorar ou acrescentar e o que temos a ensinar?
Acho que o Brasil está demais!! Eu já toquei em vários lugares da Europa e acho que não tem nada que invejar de lá, no Brasil há gente muito alegre, pacífica e dançante.

Acho que a real cena psicodelica está cada dia crescendo e mais gente curtindo e se conectando com este espírito.

Uma apresentação inesquecível e por quê?
Universo Paralello sem dúvida, nada melhor que as praias da Bahia em um grande festival como o UP, acho que é um dos melhores do mundo com certeza!!

Na sua opinião, cite alguns projetos / produtores que estão em um grande momento e outros que estão em ascensão.
Os meus favoritos: Dickser, Burn in Noise, The first Stone, Logica, Avalon, Sonic Species…..

Se pudesse tocar ao lado de um DJ qual seria?
Acho que já toquei ao lado de quase todos os meus projetos favoritos!!! (Risos) Agradeço por isso…

Como é o Daniel fora das pickups? O que faz, o que houve, onde vai?
Eu dedico minha vida à música, só faço isso, todo dia! É meu trabalho e como artista, como falei antes, é minha missão canalizar e divulgar a mensagem de luz do universo, através de nossa arte… acho que temos muito para despertar em nosso espírito, assim como as pessoas e acho que a música é um meio muito poderoso para a transmissão de energia divina para esse despertar do espírito universal.

Acho que todos somos guerreiros de luz e cada pessoa leva essa luz no coração e a despertamos em diferentes momentos da vida…. mas no final desse caminho, vamos todos para o mesmo lugar. Assim como uma simples pessoa, os melhores desejos para todos os seres que chegaram, que estão e que virão a chegar na terra.

Para o ano de 2010 existe alguma novidade? Vem um novo CD por ai?
Claro, prontamente já vem meu novo EP 2010 que vai sair pela minha gravadora Antu  Records do Chile, minha compilação é para julho e logo meu novo albúm para julho/ agosto… espero que a galera goste e o sinta, porque todo meu trabalho foi feito com muito carinho para todos os amantes do psy.

Além de vários tours pelo Brasil e pela Europa em julho e agosto, tem vários festivais e festas pela Alemanha, Suíca e Portugal por agora…

Estou muito ancioso pra minha participação no BOOM festival 2010, um dos grandes festivais do mundo!!!! Obrigado Deus e grato à vida.

Mais: myspace.com/itallive
Agradecimentos: Iohannah Hardy

Próximos eventos