“O Psytrance é amor!”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

compartilhe

A cena psytrance está renascendo em Curitiba e junto com ela núcleos e artistas.

Já falamos anteriormente do amor e da batalha do núcleo PSYcodélicos com o Fullon e hoje iremos falar de um artista local que em breve estará conquistando todas as pistas.

Apesar do pouco tempo do projeto KOSMUN, Brayam Gonçalves possuí uma técnica e uma pesquisa como poucos, em sua bagagem referências como GMS, Altruísm e Burn In Noise.

Abaixo você confere um rápido bate papo e um breve registro de uma de suas apresentações.

Como e quando a música eletrônica entrou na tua vida?
Foi no ano de 2010 quando um amigo me apresentou a track Juice do GMS, assim como apresentou o álbum The Legend of The Black Shawarma do Infected Mushroom, dessa forma o amor pela música eletrônica foi crescendo.

No ano passado você decidiu sair das pistas e ir para o palco, por quê?Esse era um desejo de longa data, porém estava em uma fase conturbada da minha vida e esse desejo se prolongou. Ano passado minha querida mulher me presenteou com o curso de DJ no Danghai Club, pois sempre quis trabalhar com música, produzir, criar e o primeiro passo para atingir esse objetivo era necessário fazer o curso, essa experiência de estar no palco não tem explicação, me sinto realizado.

Suas referências musicais mudaram após essa decisão de virar DJ ou você toca o que gostava de ouvir nas pistas?
Sempre esteve bem definido o que eu quero tocar, desde quando comecei ir nas festas. Quando conheci a cena do Psytrance, me apaixonei pelo Fullon, pelos elementos psicodélicos, o ritmo, tudo me chamou muito atenção, foi inevitável o amor que eu senti e sinto por essa vertente, ela completa cada espaço do meu ser e os percursores desse amor foram: Altruísm, Burn In Noise, Electric Universe, GMS.

Após um período longo de Prog e hitech, temos visto uma “volta” do psytrance para as festas, como você enxerga esse retorno?
Acho demais que o Psytrance estar “voltando”, pois como eu falei, a cultura trance é enorme, vai além da música, aos poucos o público vai entendendo essa essência e tudo ao seu redor vai se tornando melhor, não é só ir para festa, mas se conectar com as pessoas, o trance proporciona alegria e as pessoas estão ficando cientes disso.

O que é o psytrance para você?
O Psytrance é vida, é o mais belo e puro amor, é mais que música é uma forma de viver, pensar, agir, buscar melhorar a cada dia consigo e com o próximo. O festival Terra Azul representa o que eu sinto pelo Psytrance, que é a união das pessoas, fazendo com que os dias vividos lá se tornem mágicos, é algo simples e fácil, pois a vida deveria ser assim, um ajudando o outro, um alegrando a vida do outro. O Psytrance é amor!

O que você espera passar para a pista com seus sets?
Me conectar de alguma forma com o público, tocar uma track e transmitir emoções, ver alegria no rosto de cada pessoa, essa é uma sensação incrível.

Atualmente quais tracks não podem faltar neles?
Tem 3 tracks que toco desde que me marcaram muito, eu associo elas com a evolução que estou tendo, essas tracks me fazem pensar muito no que passou na minha vida, onde cheguei e onde ainda quero chegar.

Quais os planos para 2019?
Aperfeiçoar minhas técnicas de mixagem, aumentar meus contatos dentro da cena trance e também começar a estudar produção, coloquei na minha cabeça que preciso evoluir como artista, parar de levar como hobbie e começar a pensar como minha profissão.

Conheça mais:
Soundcloud: https://soundcloud.com/kosmun
Facebook: https://www.facebook.com/kosmun.music/

Próximos eventos