A Experiência Psicodélica: Parte 2

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

compartilhe

Por: PreParty

Diferentes drogas, diferentes experiências:

Por que o MDMA, o LSD, a psilocibina e a ketamina produzem experiências distintamente diferentes? Todos são chamados de “psicodélicos” porque induzem um estado alterado de consciência. Mas bioquimicamente, eles criam seus efeitos ao interagir com diferentes elementos dentro do sistema nervoso central.

Veja abaixo o modelo mecanicista para categorizar as drogas:

O consumo de uma variedade de substâncias naturais e sintéticas pode levar ao vício, que é comumente definido pela perda de controle e pelo consumo compulsivo, apesar das consequências negativas. Embora as drogas “viciantes” tenham alvos moleculares diversos no cérebro, eles compartilham o efeito inicial comum de aumentar a concentração de dopamina.

Com base nessa pesquisa, propuseram uma nova classificação para drogas viciantes que acreditam que podem ajudar na direção da pesquisa para um tratamento mais eficaz do vício.

Os medicamentos viciantes são um grupo quimicamente heterogêneo com alvos moleculares muito distintos. Além disso, um medicamento individual pode ter mais de um alvo molecular. Vamos nos concentrar nos mecanismos que são diretamente responsáveis pelo aumento da concentração de dopamina. Foram distinguidos três grupos de drogas:

1 — drogas que se ligam aos receptores acoplados a proteínas G (GPCR) — este grupo inclui os opióides, os canabinoides e o γ-hidroxibutirato (GHB);

2 — drogas que interagem com receptores ionotrópicos ou canais iónicos — este grupo inclui nicotina, álcool e benzodiazepínicos;

3 — drogas que direcionam os transportadores de monoamina — este grupo compreende cocaína, anfetaminas e Metilenodioximetanfetamina (MDMA, ecstasy)

Dentro desse modelo, você pode categorizar ainda mais drogas psicodélicas de acordo com seus subgrupos, casos de uso médico e efeitos no cérebro. MDMA é um “empatogenico” ou “entactogenico”, LSD e psilocibina são alucinógenos e a ketamina é um anestésico dissociativo.

Como a teoria se traduz em experiências reais de indivíduos reais? Com relatos de usuários:

MDMA:

Link para discussão oficial em inglês

“O MDMA faz desaparecer as barreiras que me impedem de me tornar quem eu quero ser. Eu me tornei uma obra-prima social. Não me importa quem me veja dançando, falo com estranhos e AMO falar com eles, as pessoas querem falar comigo. Os benefícios são extensos e monumentais.

Mas é claro que o sentimento nunca dura e você lentamente se afunda na realidade. É um sentimento agridoce. Estou feliz que aconteceu, abriu muitas novas janelas e portas. No entanto, eu quero ser essa pessoa novamente. O que sei é que posso ser essa pessoa sem MDMA, é tudo mental. MDMA dá um vislumbre de quem você pode se tornar. Eu simplesmente não sei como chegar lá.

Tenho certeza de que não posso ser o único que se sente assim. Por favor, compartilhe suas experiências desse estado mental comigo. ”

Em seguida, um usuário respondeu:

“Eu sinto exatamente o mesmo. Estou feliz que alguém também se sinta assim. Eu me senti meio patético explicando isso ao meu namorado, que ele mesmo, para mim, é uma obra-prima social, naturalmente. Eu não acho que ele realmente pode entender como diabos eu acho as pessoas tão assustadoras.

Tenho uma ansiedade social muito ruim, acho difícil saber o que dizer às pessoas e, muitas vezes, me sinto desagradado por novas pessoas por causa disso. Mas com MDMA, tenho essa mente cristalina, sei exatamente o que dizer às pessoas, porque não estou mais preocupado se o que eu digo seja suficientemente interessante ou engraçado. E por isso, o que eu digo é SEMPRE interessante o suficiente e engraçado. Eu me sinto como uma superstar social no MD e eu adoro isso.

Eu nunca quero o sentimento de ir embora.
Como você disse, o fato de que esta versão de você aparece ao tomar MDMA, ela deve existir dentro de você naturalmente. Embora eu realmente acredite, nunca chegarei ao palco onde minha mente será clara e cuidará ao interagir com as pessoas, acredito que o MD me ajudou a não se preocupar tanto com o gosto ou não na vida cotidiana.

Eu fico muito triste comparando a pessoa com a pessoa que eu estou no MD. A versão de mim poderia se tornar tudo o que eles queriam. Eu não teria medo de nada. ”

E mais uma resposta, de outro usuário:

“Eu não sei se você está disposto a ouvir a perspectiva de outra pessoa, mas eu não desistiria dessa versão de você. Talvez tente mudar sua visão de pensar sobre isso como se transformar de como você está atualmente em uma forma diferente, e vê-lo mais como uma tentativa de limpar coisas que impedem você de ser como você poderia ser? Ahhh, este é um conselho totalmente não solicitado, é só que o contraste entre dizer que “se sente como uma superstar social” e depois dizendo que você realmente acredita que você não pode alcançar esse estágio de outra forma me deixa triste: (eu gostaria de poder ajudar de alguma forma) ”

Outros relatos interessantes de MDMA (em inglês):

https://tt.reddit.com/r/MDMA/comments/3x4s78/my_experience_of_1_years_mdma_usage_especially/?ref=search_postshttps://tt.reddit.com/r/MDMA/comments/4yxknu/me_and_my_girlfriend_had_intimate_cuddles_with/?ref=search_postshttps://tt.reddit.com/r/MDMA/comments/6howaj/mdma_my_journey_and_why_i_stopped_using_it/?ref=search_postshttps://tt.reddit.com/r/MDMA/comments/4717gf/why_im_saying_goodbye_to_mdma/?ref=search_posts

LSD:

Link para a discussão oficial (em inglês):

“Drop com meu avô:
Ontem eu fiz uma postagem perguntando se alguém tinha o privilégio de dropar com seus avós …
Nos comentários, alguém disse que eu deveria fazer um relatório da minha viagem, então aqui está…
Meu vovô mencionou que sua droga favorita já foi lsd, mas ele não tomava há 30 anos, então eu decidi surpreendê-lo sem saber se ele querer tomar comigo. Fui a sua casa (no dia 4 de julho) e mostrei o ácido. Ele estava parado e nervoso ao mesmo tempo. Ele resolveu tomar, pegou 1 blotter com provavelmente 100ug e tomou.

Depois de cerca de 45 minutos, começamos a sentir alguns efeitos, ele disse que deveríamos colocar um show de concertos do Pink Floyd, eu conhecia pouco sobre pink floyd. Eu tinha um cartaz na parede, mas nunca tinha ouvido nada além de The Dark Side of the moon. A primeira canção que ele colocou foi “shine on you crazy diamond”, louca, estava além da perfeição, não podia acreditar no que estava assistindo, era irreal.

Depois que o concerto terminou, fomos para fora da casa de onde meu vovô morava onde poderíamos ver alguns fogos de artifícios devido ao feriado da independência. Depois de sei lá quanto tempo que estávamos ali, decidimos dar alguns dabs, foi excelente. Conversamos muito sobre nossa família.
Depois disso decidimos colocar o filme “bugs life”. É um filme perfeito para LSD, depois disso, assistimos “Clockword Orange” e tivemos uma profunda conversa sobre a vida e envelhecimento. Na manhã seguinte, meu vovô disse que temos que fazer isso de novo outro dia.

Foi um ótimo momento. Nós dropamos mais duas vezes depois disso. Meu avô já não está mais conosco, mas dropar com ele foi uma das melhores experiências da minha vida”

Psilocibina:

Os cogumelos produzem efeitos semelhantes aos do LSD, mas com uma assinatura diferente. Os usuários frequentemente descrevem sua experiência como imprevisível e mais misteriosa.

Vou deixar uma frase de um amigo que acho muito pertinente:

“Com cogumelos mágicos muitas vezes sinto que estou na presença de um antigo professor, me guiando, enquanto que com o LSD, sinto que estou simplesmente atravessando meus próprios caminhos mentais”.

Ketamina:

Os efeitos psicoativos da ketamina derivam do bloqueio de um certo tipo de receptor de glutamato, especificamente o receptor NMDA (https://en.wikipedia.org/wiki/NMDA_receptor).

Sendo um anestésico dissociativo, a experiência psicodélica induzida por ketamina revelou elementos fora do corpo, inclusive às vezes mesmo perda de controle corporal. Em doses baixas, a ketamina coloca os usuários em um estado sonhador e suavemente psicodélico. Em altas doses, alguns acham terrível e alguns chamam de “o psicodélico mais intenso, bizarro e agradável”.

Um usuário experiente descreveu ela assim:

“À medida que o efeito da ketamina está acontecendo, há uma ruptura na continuidade da consciência. […] Muitas vezes não há nenhuma lembrança de ter sido eu mesmo, nascido, tinha uma personalidade ou corpo, ou mesmo conhecido do planeta Terra. A experiência é de estar no orgasmo total com o universo. Eu sinto que estou no hiperespaço, conectado simultaneamente a todas as coisas “.

Bad Trips:

E as “bad trips”? Elas existem? Sim, eles existem. Uma equipe de pesquisa em torno de Roland Griffiths da Universidade Johns Hopkins realizou uma pesquisa on-line na qual eles pediram aos usuários de psilocibina que compartilhassem detalhes sobre sua pior “bad trip”

Link da pesquisa (em inglês):

62% dos entrevistados classificaram sua pior “bad trip” por estar entre as dez experiências psicologicamente difíceis ou desafiadoras de suas vidas. O que é surpreendente é que a mesma porcentagem de usuários também o considerou entre as dez experiências mais significativas de suas vidas.

“Uma experiência difícil, às vezes descrita como catarse, muitas vezes resulta em significado pessoal positivo ou significado espiritual”, diz Griffths.

Os desafios podem, eventualmente, levar ao crescimento pessoal. 76% dos participantes relataram que sua experiência difícil levou a aumentos no bem-estar atual e na satisfação da vida. Isso sugere que uma “bad trip” pode não ser tão ruim depois de tudo.

E o que desencadeia essas experiências difíceis em primeiro lugar?
A dosagem, o conjunto e o “set and setting” (falaremos em seguida) foram significativamente relacionados ao grau de dificuldade e duração da experiência desagradável.

A importância do ‘Set and Setting:

A experiência psicodélica individual depende de uma série de coisas. Obviamente, depende da dose e do tipo de medicamento que o consumidor está consumindo. Mas também depende da composição corporal do usuário, gênero, genes, sua sensibilidade a certos medicamentos ou interações medicamentosas com outros produtos farmacêuticos que o usuário está tomando, como contracepção ou medicamentos psiquiátricos. E como se tudo isso já não fosse a variabilidade suficiente, a experiência depende muito do que é chamado “set and setting”. Set refere-se à mentalidade e à experiência do indivíduo, enquanto o setting refere-se ao ambiente em que ele está.

Tomar MDMA durante uma sessão de terapia de casais tem efeitos inteiramente diferentes do que tomar MDMA em um festival de dança eletrônica. A experiência psicodélica é uma função da mentalidade, bem como do ambiente físico e social.

A influência do “set and setting” pode explicar a variação surpreendente no início da pesquisa psicodélica. Quando o LSD foi distribuído pela primeira vez na década de 1950, foi comercializado como um fármaco indutor de psicose e foi utilizado na psiquiatria clínica. As experiências geralmente ocorreram em ambientes altamente impessoais — pense em salas hospitalares — e os assuntos eram frequentemente pacientes psiquiátricos ou de populações socialmente desfavorecidas, como prisioneiros ou toxicodependentes. Em alguns casos, eles tinham pouca escolha senão participar dessas experiências. Agora, imagine que tal assunto seja atado a uma cama hospitalar, iluminação incômoda, pessoas grosseiras e médicos à procura de sinais de que a substância administrada tornou o sujeito psicótico. Qualquer um teria dificuldade em tal cenário — com ou sem a droga.

Menos de uma década depois, o LSD tornou-se popular entre os estudantes universitários como uma substância que ampliaria a consciência e aumentaria o pensamento criativo. Os participantes se juntaram voluntariamente aos estudos porque estavam antecipando uma experiência significativa. Os experimentos foram muitas vezes realizados em salas agradáveis com arte, flores e músicas interessantes para que os voluntários pudessem desfrutar enquanto esperavam a droga. Os pesquisadores responderiam às necessidades pessoais do participante e tratariam com bondade e respeito.

http://www.maps.org/news-letters/v23n1/v23n1_p6-9.pdf

Ao longo dos anos 50 e 60, vários grupos de interesse avaliaram a adequação do LSD para servir suas causas particulares. Esses esforços resultaram em ao menos nove diferentes concepções principais do LSD, entre elas o LSD como uma ferramenta psicoterapêutica, um criador de criatividade, um “sacrador” espiritual, uma ferramenta de controle mental (pela CIA), uma arma de campo de batalha (pelos EUA Chemical Corps) e uma molécula revolucionária (por grupos como Yippies e The Weathermen)
Tudo isso mostra que o “set and setting” influenciam profundamente as experiências psicodélicas reais. Através de pesquisas continuadas, no entanto, conseguimos identificar alguns denominadores comuns de todas as experiências psicodélicas, como a “intemporalidade”, o altruísmo e a falta de esforço.

http://www.goodreads.com/book/show/30317415-stealing-fire

______________________________

Prévia da parte 3:

Drogas psicodélicas e o sistema serotoninérgico:

O texto a seguir é uma tradução a adaptação. O texto original é de Marlene Rupp, uma escritora independente que faz textos sobre ciência, ela traz de uma maneira mais simples, matérias sobre ciências que acha interessante.

“A maioria de nós conhece alguém que tomou antidepressivos. Mas e as drogas psicodélicas? Não muito. Muitas pessoas acreditam que são ilegítimas e perigosas. Você pode se surpreender ao saber que drogas psicodélicas como MDMA e LSD têm muito em comum com os antidepressivos. Ambos trabalham com o mesmo neurotransmissor no cérebro: a serotonina.

E de fato, antidepressivos e drogas psicodélicas prometem curar doenças mentais semelhantes e também podem ter efeitos colaterais semelhantes. Você sabe como eles trabalham no cérebro? Não? Boa! É exatamente sobre o que trata a terceira parte da séria “Experiência Psicodélica”. Antes de poder falar sobre seu cérebro afetados por essas drogas, é importante ter uma compreensão básica do cérebro e do seu sistema serotonérgico. Não se preocupe, é coisa super fascinante e fácil.

Continua…

Parte 1


Fontes:
https://en.wikipedia.org/wiki/Psychedelic_drug
https://www.erowid.org/library/books_online/essential_psychedelic_guide/essential_psychedelic_guide.pdf
https://hub.jhu.edu/2017/01/04/bad-trips-mushrooms/
https://www.youtube.com/watch?v=j7KeOsDgPzc&feature=youtu.be
http://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0269881116662634
https://www.gwern.net/docs/2016-carbonaro.pdf
https://waitbutwhy.com/2017/04/neuralink.html#part2
https://www.erowid.org/psychoactives/faqs/psychedelic_experience_faq.shtml

Próximos eventos